Lugar remoto de mitos pessoais, onde se vivem e guardam as vontades na sua essência...

02
Mai 08

Disse Ulisses:

«E a augusta Circe dirigiu-me então estas palavras: ‘Eis portanto esta prova cumprida até ao fim. Tu, escuta tudo o que te vou dizer; aliás, um deus em pessoa te fará recordá-lo. Chegarás primeiro à terra das sereias (…), cuja voz seduz qualquer homem que caminhe para elas. Se algum se aproxima sem estar prevenido e as ouve, jamais a sua mulher e os seus filhos pequerruchos se reúnem em torno dele e festejam o seu regresso; o canto harmonioso das sereias cativa-o. Elas habitam num prado, e a toda a margem está cheia das ossadas de corpos que se decompõem; sobre os ossos desseca-se a pele. Passa sem te deteres; amassa cera doce com mel e tapa as orelhas dos teus companheiros, para que nenhum deles as possa escutar. Quanto a ti, ouve se quiseres; mas que sobre a tua rápida nau te atem as mãos e os pés, erguido junto ao mastro, e a eles te prendam por reias. E, se tu suplicares e instares a tua gente para que te soltem, que eles dêem nós ainda mais numerosos (…)»

(Odisseia, Canto XII, pp. 133, 134)

 

A Odisseia é uma obra clássica atribuída a Homero, considerado um dos maiores poetas de todos os tempos. À falta de informação fidedigna relativa à vida do autor, persiste a dúvida em relação à veracidade do facto de ter sido Homero quem a escreveu. Tal dúvida partiu do Pe. Aulignac (1664), que atribuiu a sua autoria a uma colectânea de pequenos poemas oriundos de autores anónimos que os cantavam na Grécia.

 

(Homero, Odisseia, 2.ª edição datada de 1988, Edição Anotada, Publicações Europa-América, Mem Martins.)

 

Nesta obra são relatadas as aventuras de Ulisses e das provações por que passou.

Optei por deixar aqui uma delas, a que eu faço frequentemente uma analogia face ao que nos rodeia. Muitas vezes há que nos amarrarmos ao mastro para não deixarmos que vozes encantadas, ou o silêncio do nosso próprio ego, nos seduzam para uma falsa ventura, como tão bem aconselha Circe.

publicado por mitho às 14:41

Muitas vezes é a nossa falsa percepção que ouve vozes encantadas onde elas não existem.

Amarramo-nos ao mastro porque julgamos ouvir o que é apenas fruto do nosso ego, ou de de ilusões relativamente à realidade, que muitas vezes teimamos em não ver.

Às vezes, os outros teimam em que nos agarremos ao mastro de forma desnacessária, porque não entendem que a cera que temos nos ouvidos nos impedem de ouvir o canto da sereia. Essa cera é tecida não nos ouvidos, mas à volta do coração.

A sedução acontece quando há sedutor e seduzido, as vozes encantadas só o são, se houver encantador e encantado que deseje sê-lo.
As sereias com o seu canto magistral não conseguem iludir um coração apaixonado. Nunca, jamais!
Francis a 3 de Maio de 2008 às 14:13

Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
13
15
17

19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO